Urgência

O Centro Hospitalar de Setúbal dispõe de três serviços de urgência (Urgência Geral, Urgência de Pediatria, e Urgência de Ginecologia e Obstetrícia), localizados no Hospital de São Bernardo, a funcionar 24 horas por dia.

Para saber qualquer informação sobre os serviços de urgência basta seleccionar o Serviço pretendido, clicando sobre o respectivo nome no menu da esquerda.

 

 


Quando chegar a esta Urgência (8h às 16h) deve dirigir-se ao Secretariado na área da recepção, devendo trazer o bilhete de identidade ou outro documento de identificação válido, e cartão do sistema de segurança social Após proceder à inscrição deverá aguardar na sala de espera.
Caso recorra a esta Urgência no período das 16h às 8h, a entrada é feita pelo Serviço de Urgência Geral, sendo também aí, realizada a inscrição administrativa e transitando, posteriormente, para a Urgência de Obstetrícia e Ginecologia.

Será chamada na altura do atendimento médico, sendo as salas de atendimento médico contínuas à Sala de Espera.
Após avaliação, o médico poderá decidir por uma de três decisões:

  1. Dar-lhe alta de imediato com base apenas em elementos de ordem clínica;
  2. Efectuar o acto médico e requisitar exames complementares de diagnóstico (análises ou RX);
  3. Proceder ao internamento.

Em certos casos, e sempre que a sua situação clínica o exigir, poderá necessitar de ser internado.

Após a alta e antes de abandonar o Serviço de Urgência deve dirigir-se ao secretariado administrativo para validar a documentação entregue, se necessário, ou para pedir justificação de presença.
Deverá, ainda, estar seguro de ter compreendido todas as recomendações que lhe foram efectuadas e ter em conta que a vigilância da situação de doença não acaba com a alta da urgência hospitalar devendo, sempre, ser-se reobservado pelo médico assistente, numa consulta, no âmbito dos Cuidados de Saúde Primários.

  • Bens e Valores
    O Centro Hospitalar não se responsabiliza pelo extravio de qualquer bem ou valor que não esteja à sua guarda. Se se proceder ao internamento do doente, o Hospital guardará em cofre próprio os seus bens e valores, elaborando, com o Enfermeiro-Chefe, o espólio.
  • Telemóveis
    Não é permitido o uso de telefones móveis dentro das instalações.
  • Identificação dos profissionais
    Todos os profissionais andam devidamente identificados, munidos de cartão identificativo.
  • Interdição de fumar
    Não é permitido fumar nas instalações do hospital (Decreto-Lei n.º14/2006 de 20 de Janeiro).

 

Telefone:
265 549 000 (Ext. 1602)

Segunda-feira a Domingo:
Das 00h00m às 24h00m


Quando chegar ao Serviço de Urgência deve dirigir-se ao Secretariado na área da recepção. Necessita de trazer o bilhete de identidade ou outro documento de identificação válido, e cartão do sistema de segurança social. Depois de proceder ao acto de inscrição deverá aguardar na sala de espera.

Após algum tempo será chamado através do intercomunicador pelo Gabinete de Triagem, que está localizado junto à sala de espera. No Gabinete de Triagem ser-lhe-ão feitas algumas perguntas pelo enfermeiro triador que vão estabelecer o grau de urgência com que necessita de ser atendido (a chamada triagem de Manchester). Baseado nas respostas que deu às perguntas formuladas, o sistema informático irá classificar o seu grau de prioridade em cinco cores, sendo-lhe colocada uma braçadeira com a respectiva cor:

1. Vermelho (emergente) – neste caso será imediatamente transferido para a sala de reanimação, que fica ao lado da sala de espera;
2. Laranja (muito urgente) – neste caso irá aguardar na sala de espera 2 sendo a espera previsível até ao atendimento de 10 minutos;
3. Amarelo (urgente) – neste caso irá aguardar na sala de espera 2 sendo a espera previsível até ao atendimento de 60 minutos;
5. Verde (pouco urgente) – neste caso irá aguardar na sala de espera 1 sendo a espera previsível até ao atendimento de 120 minutos;
6. Azul (não urgente) – neste caso irá aguardar na sala de espera 1 sendo a espera previsível até ao atendimento de 240 minutos;

Será chamado através do intercomunicador na altura do atendimento médico. As salas de atendimento médico localizam-se junto à sala de espera 2.
Após a avaliação o médico poderá decidir por uma de três decisões:

  1. Dar-lhe alta de imediato com base apenas em elementos de ordem clínica (dados por si fornecidos e exame clínico);
  2. Efectuar o acto médico, requisitar exames complementares de diagnóstico (análises ou Rx)

Em certos casos, e sempre que a sua situação clínica o exigir, poderá necessitar de ser internado.

Após a alta e antes de abandonar o Serviço de Urgência deve dirigir-se ao secretariado administrativo para validar a documentação entregue, se necessário, ou para pedir justificação de presença.
Deverá, ainda, estar seguro de ter compreendido todas as recomendações que lhe foram efectuadas e ter em conta que a vigilância da situação de doença não acaba com a alta da urgência hospitalar devendo, sempre, ser-se reobservado pelo médico assistente, numa consulta, no âmbito dos Cuidados de Saúde Primários.

  • Bens e Valores
    O Centro Hospitalar não se responsabiliza pelo extravio de qualquer bem ou valor que não esteja à sua guarda. Se se proceder ao internamento do doente, o Hospital guardará em cofre próprio os seus bens e valores, elaborando, com o Enfermeiro-Chefe, o espólio.
  • Telemóveis
    Não é permitido o uso de telefones móveis dentro das instalações.
  • Identificação dos profissionais
    Todos os profissionais andam devidamente identificados, munidos de cartão identificativo.
  • Interdição de fumar
    Não é permitido fumar nas instalações do hospital (Decreto-Lei n.º14/2006 de 20 de Janeiro).

Telefone/Fax:
265 549 024

Segunda-feira a Domingo:
24 horas por dia.

– O Serviço de Urgência Geral do Centro Hospitalar de Setúbal, fica situado no Hospital de São Bernardo está incluído na Rede Nacional de Referenciação de Urgências como uma urgência médico cirúrgica, integrando ainda as Vias Verde de Acidente Vascular Cerebral (AVC) e Coronária.
Assim, dispõe em permanência (24h/24h) das seguintes valências: Medicina Interna, Cirurgia Geral, Ortopedia, Anestesiologia, Cardiologia, Neurologia, Patologia Clínica, Medicina Intensiva, Imunohemoterapia e Diálise para situações agudas, sendo as valências de Imagiologia e Gastrenterologia asseguradas também de segunda a domingo das 9h às 24h, e Psiquiatria das 9h às 22h. As especialidades de Otorrinolaringologia (ORL) e Oftalmologia, são asseguradas de segunda-feira a sábado das 8h às 20h, contudo, sempre que seja necessário recorremos a Hospitais de referência como o Hospital de São José e o Hospital Garcia de Orta.- Caso necessite de uma declaração de presença deve registar-se previamente como Acompanhante na Admissão de Doentes do Serviço de Urgência.- Qualquer informação sobre o estado dum doente, poderá ser prestada no Gabinete do Utente da Urgência.

No início deste ano a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) reforçou a necessidade de recurso à Linha de Saúde 24, através do número de telefone 808 24 24 24 em situações de preocupação ou dúvida sobre a saúde das crianças. Deu, ainda, instruções aos serviços de atendimento dos Agrupamentos dos Centros de Saúde – atendimento permanente, atendimento complementar, consultas de recurso e outras consultas vocacionadas para o atendimento de situações súbitas – para que as crianças entre os 1 e os 12 anos que sejam encaminhadas pela Linha Saúde 24 tenham prioridade no atendimento.

 


Ao chegar à Urgência de Pediatria deve dirigir-se ao secretariado administrativo na área da recepção com a finalidade de realizar a inscrição no serviço. Deve ser portador da identificação pessoal e de saúde da criança.
O acesso é global, directo e referenciado, sendo desejável a observação prévia das crianças e adolescentes pelo seu médico assistente, exceptuando os casos de doença súbita ou violenta.

Todas as crianças são submetidas a uma triagem para avaliação da gravidade da situação clínica, onde é definido o grau de prioridade no atendimento médico com pulseira de cor, de acordo com o tempo-alvo.

Tempo Alvo de Espera

Tabela-Urgencia-de-Pediatri.gif

A maioria das crianças regressa à Sala de Espera.

As crianças são chamadas, através do intercomunicador, de acordo com o grau de prioridade atribuído e não por ordem de chegada. A criança pode ser acompanhada pela mãe ou, pelo pai, ou, por uma pessoa de referência, devendo estas, para tal, estar munido da pulseira de acompanhante. (Diário da República, Lei n.º 33/2009, de 14 de Julho.
Após a avaliação o médico poderá decidir por uma das três decisões:
– Dar alta com base apenas em elementos de ordem clínica (fornecidos por si e decorrentes do exame clínico).
– Requisitar exames complementares de diagnóstico/terapêutica.
– Proceder ao internamento da criança

Em certos casos, e sempre que a sua situação clínica o exigir, poderá a criança necessitar de ser internada.

Após a alta e antes de abandonar o Serviço de Urgência deve dirigir-se ao secretariado administrativo para validar a documentação entregue, se necessário, ou para pedir justificação de presença.
Deverá, ainda, estar seguro de ter compreendido todas as recomendações que lhe foram efectuadas e ter em conta que a vigilância da situação de doença não acaba com a alta da urgência hospitalar devendo, sempre, ser-se reobservado pelo médico assistente, numa consulta, no âmbito dos Cuidados de Saúde Primários.

Tem por objectivo principal garantir a prestação de cuidados imediatos em situações de emergência/urgência durante as 24 horas, todos os dias do ano, a todos os Utentes, designadamente:
– Atender no próprio serviço todos os Utentes externos até aos 15 anos de idade, portadores de afecções agudas;
– Observar, prestar cuidados de saúde, providenciar internamento no Centro Hospitalar de Setúbal ou noutros Hospitais, aos doentes em que isso esteja indicado, e orientar para as consultas apropriadas ou para o domicílio.
– Prestar cuidados de saúde técnicos e humanos, assegurar o suporte das funções vitais, cuja falência, reversível, ameaça a curto prazo a vida do utente:
– Proporcionar intervenção contínua ao utente em estado crítico (com problemas de vida ou morte potenciais ou reais) a fim de evitar complicações e restaurar a saúde;
– Assegurar cuidados de saúde específicos e contínuos, a fim de normalizar as funções vitais de um doente em perigo de vida.
– Prevenir a morte quando a mesma é evitável.
– Acompanhar a evolução das funções vitais e, quando necessário, estabelecer medidas para mantê-las artificialmente.

  • Bens e Valores
    O Centro Hospitalar não se responsabiliza pelo extravio de qualquer bem ou valor que não esteja à sua guarda. Se se proceder ao internamento do doente, o Hospital guardará em cofre próprio os seus bens e valores, elaborando, com o Enfermeiro-Chefe, o espólio.
  • Telemóveis
    Não é permitido o uso de telefones móveis dentro das instalações.
  • Identificação dos profissionais
    Todos os profissionais andam devidamente identificados, munidos de cartão identificativo.
  • Interdição de fumar
    Não é permitido fumar nas instalações do hospital (Decreto-Lei n.º14/2006 de 20 de Janeiro).

 

Telefone:
265 549 000 (Ext. 6030)

Segunda-feira a Domingo: 
Das 00h00m às 24h00m