II Workshop sobre Insuficiência Cardíaca no Centro Hospitalar de Setúbal

O Centro Hospitalar de Setúbal (CHS) recebe o II Workshop “Insuficiência Cardíaca: Conhecer para melhor viver”, na sala de sessões do Hospital de São Bernardo, no dia 30 de novembro, entre as 9h00 e as 13h00. Esta iniciativa promovida pela Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca (AADIC), em parceria com o CHS, dirigida aos doentes com Insuficiência Cardíaca (IC) e aos seus familiares/cuidadores é dedicada ao ensino e à formação dos doentes com esta patologia, através da compressão da doença e o acompanhamento do doente com esta patologia.

Esta é uma doença crónica e progressiva que segundo a cardiologista Sara Gonçalves “por muitas terapêuticas inovadoras que tenhamos por muitos esforço que façamos, se um doente não perceber quais os sinais de alerta, a importância das medicação que faz e de que forma é feita e como a aplicação dos cuidados de saúde se deve desenvolver ou mesmo procurar ajuda assim que os sinais de alarme se manifestem acabamos por não conseguir ajudar da melhor forma estas pessoas”. Em 2017 o CHS criou um grupo dedicado aos doentes com IC em conjunto com os Cuidados de Saúde Primários, a UNIICA, que tem vindo a crescer sendo que atualmente conta com 409 doentes a serem seguidos neste âmbito. A atividade da UNIICA desenvolve-se não só na consulta como no Hospital de Dia e em articulação com os cuidados de saúde primários Como refere Sara Gonçalves cardiologista e coordenadora de Cardiologia da UNIICA, está a decorrer “formação às várias unidades de Saúde Familiares no sentido de alertar para a importância do diagnóstico, da classificação correta, e instituição precoce de terapêutica” de forma a “tentar que os doentes com IC sejam referenciados o mais precoce e corretamente possível. Estes doentes acabam por ser grandes consumidores dos cuidados hospitalares, quer na urgência, quer nos internamentos e o objetivo é conseguir reduzir esses episódios relacionados à IC”. Sara Gonçalves explica que “atualmente temos muitas terapêuticas farmacológicas e não farmacológicas que atrasam a evolução da doença e que permitem estabilizar a doença” todavia para que resultem “metade do trabalho é do doente e tudo o que seja melhorar a formação do doente e dos seus familiares/cuidadores é fundamental para o tratamento desta patologia”. Este Workshop conta com a intervenção dos vários elementos que constituem a UNIICA, nomeadamente médicos, equipa de enfermagem e psicóloga.

Partilhar: